Arquivo do autor:Alexandre Carvalho

Sobre Alexandre Carvalho

Quase um carioca, 35 anos. Biólogo, crítico e jornalista amador, é editor do Cotidiano Nacional e escreve às sextas-feiras (ou em qualquer dia que o editor mandar) para o Vivendocidade.

Onde está o governo?

Eu nunca, na minha história, tive essa percepção de ausência de governo em meu país. Talvez isso pudesse acontecer, lá na França. Mas isso não é nada.

O que impera no país é a bandidagem. Não esses bandidos comuns que “honestamente” tentam ganhar o pão de cada dia, assaltando, assassinando ou vendendo drogas, mas a bandidagem institucionalizada.

Ouvindo Ricardo Boechat hoje na Bandeirantes (gostei do modelo, ele no rádio e a TV transmitindo) foi possível vislumbrar a que nível chega os bandidos que ocupam o Parlamento, os Palácios de Justiça e todos os prédios do Executivo. Continue lendo

Um olhar possível sobre o momento político brasileiro

Depois de muita insistência do editor do Vivendocidade  volto a escrever sobre alguns assuntos que vem tomando conta da mídia nos últimos tempos. Perdoe-me o nobre leitor se por acaso parecer que eu não esteja falando coisa com coisa, porque é realmente por ai.

impotência e derrota
Hoje quero falar sobre o (des)governo da presidente Dilma. Eu nunca, na minha história e nem na história deste país, senti algo parecido. Em outros governos, a sensação de que, por pior que pudesse ser, tínhamos uma pessoa no comando, existia. Até mesmo o Collor foi mais presente no Planalto do que é hoje a presidente Dilma. E parece que isso não tem volta, e pode durar pelo menos mais 4 anos. Continue lendo

Cortina de fumaça na Câmara Municipal de São Paulo

Talvez quando o amigo (e)leitor estiver lendo isso aqui as coisas já tenham mudado um pouco, pelo que ouvi falar. Mas também, aqueles que acompanham meus textos aqui e no Cotidiano Nacional sabem que eu odeio falar de assuntos que estão nas primeiras páginas dos jornais.

Eu sempre espero um pouco a poeira abaixar, como estou fazendo agora, pois penso que desta forma as pessoas podem ter mais tempo para refletir sobre os assuntos, se não estiverem sendo bombardeadas pela mídia. Mas não se empolgue, pois a Câmara de Vereadores de São Paulo está longe de aparecer nas primeiras páginas nem tampouco é assunto de interesse de seja lá quem for.

Vamos ao assunto deste post: a Câmara havia proibido que se entrasse lá de camiseta, bermuda e chinelo, ou algo dessa natureza. Parece-me, perdi o interesse, que voltou atrás nesta decisão.

 

bermuda-chinelo-camiseta

 

Mas eu já tinha formado opinião sobre o assunto. É óbvio que deveriam proibir de entrar pessoas em quaisquer trajes, tendo em vista que a grande maioria dos projetos debatidos e votados naquele plenário dizem respeito a nomes de ruas, viadutos e passarelas.

Portanto, nada mais justo do que cercear o direito das pessoas de verem que o tempo que elas perdem assistindo programa eleitoral, escolhendo um candidato e saindo de suas casas para votar, é dispendido com pessoas escolhendo nomes para colocarem em placas.

Fabuloso seria se não estivéssemos falando de uma cidade problemática como São Paulo, onde quase nada funciona a contento para a maior parte da população.

Junta-se a isso um pseudointelectual da USP comandando a prefeitura. Show de horrores.