Batalha do Jenipapo: primeira luta pela independência do Brasil, no Piauí

Dia 13 de dezembro do ano que terminou viajei por vinte dias pelo Piauí e visitei o monumento dos heróis da Batalha do Jenipapo ocorrida em 13 de março de 1823. Confesso que me impressionei muito com a história viva que vi de parte desse nosso enorme Brasil e com o desconhecimento geral aqui no sul maravilha sobre esse importante acontecimento. Convido os leitores do “Vivendocidade” para mergulharem nessa história que escrevi em parceria com o professor de história piauiense Paulo Silva de Sousa.

Campo Maior, onde a batalha aconteceu próxima ao Riacho Jenipapo, fica a 84 km da capital do Piauí (Teresina) e caracteriza-se pela presença marcante do coqueiro Carnaúba (“Copernicia prunifera”), que lhe rendeu o apelido de “Terra dos Carnaubais”. Sua principal atração turística é o Açude Grande, hoje infelizmente bem poluído e maltratado.

Essa luta foi a mais violenta e única batalha sangrenta pela Independência do Brasil e pela consolidação do território nacional, e foi vencida pelos portugueses.

Seus principais líderes foram Leonardo Castelo Branco, José Pereira Filgueiras, Luis Rodrigues Chaves, Alexandre Nereu, João da Costa Alecrim e Tristão Gonçalves Alencar, cujos corpos estão enterrados no cemitério localizado atrás do monumento, em túmulos rústicos de pedra e cruz de madeira. As estatísticas mostram que houve entre brasileiros e portugueses um total de 200 mortos ou feridos e 542 prisioneiros.

Além da população do Piauí, maranhenses e cearenses participaram do levante popular contra as tropas lideradas pelo major João José da Cunha Fidié (veterano das guerras napoleônicas), que desejavam manter a região sob domínio português e sufocar os movimentos de independência. O embate pode ser visto como um dos momentos chave da adesão da província piauiense ao processo emancipatório brasileiro.

Os brasileiros lutaram com instrumentos simples, não com armas de guerra e não tinham experiência de guerra. Perderam a batalha, mas fizeram com que a tropa desviasse o seu destino.

A data não consta nos livros de História e poucos sabem do ocorrido, mesmo no Piauí, onde ocorreu a batalha. Contudo, após alguns movimentos por parte de políticos, de historiadores e da população, a data foi acrescida à bandeira do Piauí e está em curso a implantação do estudo da Batalha do Jenipapo na disciplina de História.

 

A história foi mais ou menos assim

 

Após a declaração da independência do Piauí feita a 19 de outubro de 1822, em Parnaíba, o comandante português reúne suas tropas e parte de Oeiras em direção à Parnaíba, a 13 de novembro, para combater os emancipacionistas brasileiros.

Fidié chega a Campo Maior e, no dia 13 de março de 1823, pela manhã, tem início a batalha entre suas tropas bem armadas e experientes e brasileiros sem treinamento militar, utilizando paus, pedras e outros materiais de pouco poder ofensivo. Devido a superioridade bélica, o que se viu à beira do Jenipapo foi um massacre.

Mesmo com a derrota do movimento popular, a Batalha do Jenipapo tornou-se decisiva para afastar o major Fidié do Piauí e consolidar a independência e a unidade territorial do Brasil. Enfraquecidas, as tropas fiéis à coroa seguiram para Caxias, no Maranhão, onde foram derrotadas por piauienses, maranhenses e cearenses, a 31 de julho de 1831.

Essa Batalha é um capítulo fundamental no processo de consolidação do território brasileiro e o 13 de março passou a ser estampada na bandeira do Piauí, a partir de 2005, após aprovação da Assembleia Legislativa daquele estado. Lá é feriado estadual.

2 ideias sobre “Batalha do Jenipapo: primeira luta pela independência do Brasil, no Piauí

  1. Dércio

    Brilhante assunto, precisamos que mais casos como esse possam vir ao nosso conhecimento, nos temos historia, mas
    esta escondida por motivos não sei se políticos ou pessoais.

    Responder
  2. Wagner

    Ótimo, poucas pessoas conhecem fatos históricos como este. Eventos como este deveriam ser citados nas aulas, com os nome destes brasileiros, são os nossos heróis.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.