Mais emprego e mais impostos

 
 

Desde sempre, as pessoas estudavam e se preparavam para adquirir um bom emprego, com carteira assinada de preferência. Afinal de contas, nada dá mais estabilidade do que ter um fundo de garantia, previdência social, férias e todas as obrigações previstas em lei.

 
carteira-trabalho
 

Ao mesmo tempo desse cenário ideal e imaginário, também existe o fantasma do desemprego, que até hoje assusta muita gente, com maior destaque para os jovens, sujeitos ativos do paradoxo da procura de emprego:

As empresas só contratam profissionais que sabem realizar as tarefas esperadas, também chamada de experiência, deixando o novato em segundo plano que, justamente por não conseguir trabalhar, não adquire a habilidade mínima esperada.

Nos últimos anos, entretanto, tivemos um distanciamento dessa relação, quando a carteira de trabalho perdeu relevância para o trabalhador, que agora busca sua satisfação acima de qualquer coisa, assim como não vê com bons olhos aquele fulano que passa anos no mesmo lugar fazendo a sempre a mesma coisa.

Essa informalidade, mesmo que me matem, é prejudicial para o país, já que não vemos nenhum ambulante recolhendo imposto. Com menos arrecadação, nosso sócio majoritário arruma outras formas de compensar essa perda, e o que vemos é a criação de novos impostos.

É basicamente a engalobação (oi !) de sempre, e que de tanto levarmos na lomba, nem sentimos mais.

Uma saída desse contínuo espaço-tempo parece ter sido encontrada, segundo dados do Ministério do Trabalho, que afirmam terem sido criadas cerca de 150 mil vagas formais no mês de janeiro/2011.

Faltou dizer alguma coisa sobre os concursos públicos, onde nos últimos anos têm sido a verdadeira solução para os problemas do Brasil, a fome na Etiópia e os devaneios do ditador líbio que é a cara do Joel Santana, tudo junto.

Entretanto, ao contrário de uma carreira na administração pública, as pessoas querem mesmo é fazer “parte do esquema”.

Para aqueles que precisam de sustentação profissional, ainda sim, a divulgação dos dados veio em bom momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.